“Como posso ajudar meu filho a sentir aquele prazer em estudar?”, perguntou um pai…
Sim, isso aconteceu. Foi no final de uma palestra que fizemos em pleno agosto – período que marca o frio na barriga dos pais, já que agora restam menos de quatro meses para o final do ano letivo.
Boy businessman writing in bookFicamos encantadas com a pergunta, porque raramente a ouvimos. Esse é nosso sonho, nossa missão: conseguir que a relação de nossos filhos, sejam eles crianças ou adolescentes, com os estudos seja mais prazerosa. Porém, ocupados com a necessidade de alcançar as notas necessárias para “passar”, pais, alunos e professores acabam por não ter o tempo necessário para sequer pensar em como despertar e manter o prazer em estudar.
Vamos então a algumas dicas de como ajudar seu filho a gostar de estudar:
  • Comece trocando o verbo “estudar” pelo “aprender” – mesmo para os pais, estudar remete a “senta ali e não sai enquanto não tiver estudado toda a matéria”. E assim é para os alunos. Você já viu alguém ficar triste ou chateado porque aprendeu algo novo? Crianças sentem orgulho porque aprenderam a amarrar o cadarço, a comer sozinhas. Em qualquer idade, alunos ficam felizes quando percebem que aprenderam um conteúdo novo. E aprendizagem não necessariamente requer o estudo formal. Alguém se lembra de ter oferecido um manual para o filho aprender a comer sozinho? Ou você conhece alguém que aprendeu a dirigir sentado em uma cadeira da sala, decorando as regras? Eis porque a palavra “aprender” gera menos repulsa – nossa memória sobre essa palavra remete ao “fazer” e não ao ficar quieta, sentado, ouvindo e lendo somente.
  • Ajude seu filho a incluir momentos de prática aos estudos – sim, seu filho não poderá aprender se não estudar. Ajudá-lo a incluir a vivência e realidade da família ao conteúdo a ser estudado faz toda a diferença no envolvimento com a matéria da escola. Para fazer isso, você só precisa tornar a participação de toda a família uma constante dentro da rotina de casa. A tendência dos pais hoje em dia é deixar os filhos vivendo em um mundo à parte, em que tudo está pronto, limpo, preparado com antecedência. Eis que estudar se torna ainda mais pesado, já que realmente consiste em pegar os livros e sentar para reler um conteúdo que parece não ter relação alguma com a vida que levamos.
Não se iluda, porém, na expectativa de conseguir a cada dia descobrir o que seu filho aprendeu na aula e encontrar maneiras de colocar aquilo na prática. Além de ser uma missão impossível, perderia o sentido que precisa ter – os estudos, a tarefa, a aprendizagem formal é do seu filho. Uma boa maneira para saber se você está realmente colaborando para que ele aprenda mais é medir quem está tendo mais trabalho. Se for você, responsável, quem o tempo todo fica maluco para que ele leve tudo lindo de volta para a escola, tem algo errado aí. Você dá o apoio, cria as oportunidades, ajuda na organização, desperta o interesse. Quem trabalha é seu filho, ou ele não vai aprender – nem o conteúdo, tampouco a responsabilidade. A dica é dividir tarefas do dia a dia com os filhos. As oportunidades para aplicação prática do que ele está aprendendo na escola estão aí, dentro de casa, na vida da família. Deixe que seu filho faça parte do desafio diário de manter uma casa organizada, alimentar a todos, fazer o milagre das contas e receita financeira baterem. Sim, seu filho pode ajudar a controlar os gastos da conta de luz, de água, a lista do supermercado, o pacote de internet, os canais da tv por assinatura, a viagem de férias da família, a visita na casa dos avós. Envolva seus filhos nessas decisões e na organização das finanças da família e o processo de aprendizagem formal, aquele da escola, ganha novo significado.
  • De tempos em tempos, pergunte ao seu filho qual é o sonho da vida dele. Incentive para que ele tenha sonhos, para que acredite que pode realiza-los, não importa o quão impossível possam parecer! Se na descrição dos sonhos aparecer o “ter” mais vezes do que o “ser”, volte várias vezes ao assunto, perguntando sempre:
    • como ter aquilo o fará feliz;
    • o que ele vai fazer para ter aquilo que mencionou;
    • o que acontece depois que ele tiver aquilo.
Essa é a melhor maneira de ajudar para que, cada vez mais ele consiga pensar no que deseja ser e, mesmo que de forma inconsciente, entender que estudar é um ótimo caminho para realizar sonhos.
Por último, para que tenha o destaque e peso necessários, a dica de ouro para ajudar seu filho a ter prazer em estudar: dar o exemplo. Nenhum de nós está tão pronto que não tenha mais nada para aprender. Que tal aprender algo novo, realizar um sonho ou simplesmente sonhar um sonho novo agora, aí mesmo, bem na frente do seu filho?
Gostar de estudar é algo que se aprende?

Posts Relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *