Socorro, meu filho não se interessa pelos estudos! Este é um dos pedidos de ajuda que mais recebemos. E vem de pais de todas as regiões do Brasil, com filhos das mais variadas faixas etárias. A boa notícia é termos tantas famílias preocupadas com essa questão e buscando ajuda. Nem os superpoderes de mãe ou de pai podem fazer um filho aprender se ele mesmo não se envolver e não fizer o esforço necessário para transformar em conhecimento o conteúdo que está sendo ensinado. E aqui está a chave para que nós, pais, possamos entender como ajudar nossos filhos: crianças e adolescentes precisam aprender em casa, desde pequenos, o real sentido das palavras “esforço, dedicação, responsabilidade, disciplina”.

Sem isso, nem a melhor escola do mundo, o melhor professor da face da Terra ou mesmo sistemas educacionais top do ranking internacional de educação como Singapura ou Finlândia, conseguiriam fazer um aluno aprender. Muitos pais tentam seu melhor, algumas vezes passando do limite do bom senso e fazendo a tarefa pelo filho ou escrevendo os resumos para que a filha estude para suas provas. Depois se frustram ainda mais, pois os resultados só pioram e o filho parece não se importar o mínimo. Então, pais, vocês estão fazendo isso errado. O desafio é outro: criar um ambiente em que os filhos desenvolvam as habilidades que formam o alicerce para uma relação de responsabilidade com a aprendizagem e com os estudos. Isso significa rever seus conceitos, pai/mãe. No início, é trocar o estresse de horas brigando para seu filho fazer a lição por momentos de maior firmeza, menos permissividade e colocar ponto final na pena e na culpa sem sentido. Se estiver disposto a comprar essa briga do bem, vem com a gente na leitura deste post que vamos dar dicas de como ajudar seu filho a se interessar pelos estudos:

 

  1. Antes de aprender o conteúdo da escola, seu filho precisa aprender em casa que é capaz de aprender qualquer coisa! A chave para seu filho se interessar pelos estudos está fora dos momentos da tarefa ou do desespero da véspera de provas. Uma criança só vai ter interesse e coragem para enfrentar os desafios da aprendizagem formal se ela achar que é capaz de vencer cada obstáculo. O que seu filho precisa é acreditar no quanto é capaz de aprender seja lá o que for, desde que tenha persistência. A verdade é que tudo o que seu filho faz bem, desde andar até encontrar rapidinho o aplicativo que ele mais gosta entre tantos ícones na tela, ele só consegue porque fez aquilo repetidas vezes. O que parece um talento que já nasceu com seu filho é simplesmente resultado de um esforço maior colocado naquela atividade. O incentivo, o elogio, o reforço positivo a cada tentativa e a visão de que não há erro, mas esforço para aprender fizeram a diferença para que eles dominassem cada habilidade que têm hoje. Alguém, por um acaso, se lembra de ter ficado bravo quando o filho caiu nas diversas vezes em que tentou até que conseguisse andar sozinho? Ou quando estava aprendendo a comer com as próprias mãos? Em todas as situações que consideramos que eles eram capazes, só precisavam de prática e apoio para tentar novamente, eles foram bem sucedidos. E assim deveria ser com os estudos. A dica é incentivar a nova tentativa e a persistência na hora da brincadeira, quando pequenos. Elogiar o esforço. Não tratar a tentativa que não deu certo como fracasso, mas como um novo passo para o sucesso. Incentivar jogos de quebra cabeças, memória, encaixe de formas para os pequenos. No caso de filhos maiores, colocar na rotina atividades que requerem prática para que sejam dominadas: preparar refeição um dia da semana, começar a tocar um instrumento musical ou praticar uma nova atividade física são exemplos de caminhos para ajudar seu filho.

 

2. O interesse pelos estudos começa ao assumir a responsabilidade por tudo o que diz respeito à escola e à aprendizagem. Se você tentar que o interesse apareça na hora de estudar, seu filho vai continuar a odiar a escola, a tarefa, a prova, a professora. Um exemplo simples de como, sem perceber, os pais agem como se a escola e os estudos fossem um peso na vida do filho desde muito cedo: a cena na entrada e na saída da escola, começando na educação infantil. A primeira atitude dos pais quando buscam os filhos na saída é pegar a mochila. Na entrada, a maioria dos pais vai até a porta carregando a mochila que a criança deveria estar levando. Assim, passamos a ideia de que a escola é “pesada”, mas que podem ficar tranquilos, porque vamos assumir essa responsabilidade no lugar deles. Dentro de casa, os próprios pais arrumam o estojo, as pastas, a mochila de seus filhos. Aos poucos vamos ensinando da forma mais impactante – na prática, pelo exemplo – que podem ficar tranquilos, nós cuidamos de tudo. Depois vem a enorme contradição na fala: a escola é para você aprender, vai ser importante na sua vida, você tem que fazer a tarefa, precisa entender que é para você mesmo o aprendizado. Quer ver seu filho assumir a responsabilidade pelos estudos, desenvolver o interesse pelo aprendizado? Corte o discurso e mude a prática! E nada de fazer cara de pena quando ele estiver vestindo sozinho o uniforme, carregando sua própria mochila ou arrumando o material da escola. Se tem que comprar algum material relacionado à escola, ele deve estar junto, ajudar a escolher, ficar na fila para pagar, carregar a sacola com o material, chegar em casa e guardar no lugar certo. E o toque final, a cereja do bolo, o ingrediente mágico: troque a expressão de pena no rosto por palavras e gestos que transmitam a sensação de orgulho que você tem quando ele assume a responsabilidade por tudo o que está relacionado aos estudos!

 

3. A chave para seu filho se interessar pelos estudos está fora do momento da lição de casa ou da pressão das provas! A hora de estudar é hora de estudar e não de aprender a gostar do estudo. É verdade que dá trabalho educar uma criança para que ela desenvolva desde muito cedo o interesse pelos estudos. Mas veja esse desafio como um investimento. O que você colocar de tempo e esforço em momentos da rotina da família para ajudar seu filho a se interessar pelos estudos, vai economizar em brigas, estresse e até mesmo em dinheiro para tentar consertar os prejuízos. Uma das receitas de comprovado sucesso para despertar o gosto pelos estudos é o hábito da leitura. A leitura precisa fazer parte da rotina da família. Nos dias atuais, isso é um enorme desafio, só possível de ser vencido com participação dos pais. A dica é fazer sessões semanais, inicialmente de 20 minutos, em que todos da casa estejam lendo. Inicialmente, deixe que seu filho leia revistas ou histórias em quadrinhos e depois vocês fazem a transição para livros. Para crianças menores, leia para ela, depois leia com ela, então deixe que ela leia para você. Diversas pesquisas confirmam que crianças que desenvolvem o gosto pela leitura aumentam na mesma proporção o interesse pelos estudos. Outra maneira para desenvolver o gosto pela aprendizagem é ajudar seu filho a ter uma postura ativa em relação ao aprendizado no dia a dia. Isso acontece quando a criança ou adolescente pratica um esporte, passa momentos com colegas da mesma idade, toca um instrumento musical. Conversar com seu filho, incentivar mais questionamentos ao invés de responder: “ah, vê se me dá sossego um pouquinho, não aguento mais tantas perguntas” é também uma das maneiras de promover a aprendizagem ativa. Para complementar, passeios a parques, museus, bibliotecas. Uma nova rotina vai trazer a mudança que discurso nenhum consegue promover no interesse do seu filho pelos estudos!

            

A epidemia da falta de interesse pelos estudos!

Posts Relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *