top of page
Buscar

Alguns comportamentos são pedidos de socorro disfarçados de rebeldia, seja em casa ou na escola.


Querer ser o primeiro da fila não é problema. Desejar ser o ajudante da sala, que maravilha! E sonhar ser o escolhido para apresentar primeiro um trabalho é ainda melhor do que tentar se esconder e rezar para não ser visto. Então tudo bem seu filho não gostar mais da escola se esses desejos não se realizarem? Não! Aí é que mora o perigo. E muitas vezes os pais vão pedir que o professor atenda aos anseios daquele aluno para que ele continue interessado pelos estudos ou pela escola. Nesse ponto, entra a importância da parceria entre escola e família. Não cabe à escola dizer sim a todos os desejos do aluno. Muito mais do que as letras, números ou outros conteúdos, é esse tipo de aprendizado que a escola vai trazer para seu filho: habilidades de convívio social, capacidade para enfrentar frustrações, flexibilidade, paciência. Mas a escola sozinha não vai poder ajudar a criança, se a família entrar em confronto com a professora, ou com outros pais, toda vez que o filho for contrariado. Embora não seja impossível, é mais difícil para os pais ensinar aos filhos como esperar sua vez, como é não ser sempre o primeiro, já que as famílias estão bem menores hoje em dia e o ambiente do lar é preparado para atender todas as necessidades do filho/a. O ambiente escolar é o maior aliado para ajudar a trabalhar essas questões.

Quando seu filho chegar contando que não pode ser o primeiro da fila, entenda como um pedido de ajuda: “mãe, você pode me ajudar a conviver em grupo?”. Quando ele disser que não quer ir para a escola, porque a professora não o escolheu para uma determinada atividade, ele está pedindo: “pai, você pode me ajudar a ter segurança e autoestima suficiente para não precisar ser o foco da atenção o tempo todo?”. E como você pode fazer isso? Criando situações em que seu filho brinque sozinho de vez em quando, trazendo jogos de tabuleiro para o dia a dia e reservando tempo com seu filho/a, sem outras distrações. Nos jogos, você ganha algumas vezes. Ele ganha outras vezes. Mas não dê tanta importância para a vitória. Demonstre estar feliz só pelo tempo que brincaram juntos. Não deixe a casa toda preparada para seu filho. Peça ajuda. Ele não precisa ser o primeiro a ser servido sempre. Invertam os papeis dentro da família de vez em quando. Participar e estar envolvido ao invés de ser sempre servido são caminhos para responder ao pedido de socorro que seu filho está mandando em forma de protesto!\


Conteúdos novos todos os dias no nosso Instagram e Facebook.

Clique aqui para acessar.


Saiba mais sobre nossas Palestras: 11.938051719


📝 Curso "Educar sem Pirar": Clique aqui para acessar.


📖 Livro "Socorro, meu filho não estuda": Clique aqui para comprar.

0 comentário

Comments


bottom of page