Buscar

Voltar para a escola não é castigo – como garantir que os filhos entendam isso

Ir para a escola é um grande privilégio que nossos avós não tiveram. Assim como crianças e adolescentes de diversas partes do mundo ainda sofrem sem ter esse direito atendido. As palavras e postura dos pais são as duas únicas maneiras de passar a nossos filhos a mensagem sobre o quanto a escola é importante na vida deles. É normal que, depois de um mês com a rotina mais relaxada, sem pressão de horários e responsabilidades, os filhos reclamem para voltar à escola. O papel dos pais nesse momento é fundamental para que essa postura de preguiça totalmente compreensível e normal não se transforme em estresse, comportamento agressivo e baixo desempenho na escola. Na correria do dia a dia, acúmulo de funções e pressão emocional ou financeira, os pais acabam esperando que a escola traga solução para desafios que precisam ser vencidos em equipe: família e escola juntos! Nesse momento, a bola ainda está no campo da família: é dentro de casa que se forma o respeito que nossas crianças e adolescentes têm pela escola e professores, assim como a responsabilidade pela aprendizagem. A partir desta semana, é hora de retomar com toda energia a parceria com a escola, com a consciência de que quanto mais harmonia houver, mais seu filho se beneficia. E sua parte, como responsável, começa nas palavras que usa, na forma como se expressa e na postura que assume quando o assunto é a escola. Vamos juntos nesse desafio de fazer um ótimo recomeço para garantir um final feliz logo ali no final do semestre! Para ler cada dica inteira é só clicar nas imagens:

  1. Lembra de como você falava para o seu filho sobre os planos para as férias? Então, é essa mesma energia que seu filho precisa sentir quando você comenta sobre o volta às aulas!

á prevendo que vai rolar um estresse a partir desta semana, os pais começam a tentar preparar o “espírito” dos filhos para o volta às aulas. E aí acabam por entrar em um espiral de clima negativo, no qual o chororô e as lamentações tornam-se o novo ritmo da família. Assim, ao invés de exercer nosso superpoder de maestros, sem perceber, trocamos de papel e deixamos que os regentes sejam aqueles que precisam ainda muito do guia da nossa batuta. A dica é lembrar que você é o maestro e seu filho vai seguir seu ritmo, principalmente se não houver um longo discurso da sua parte. Sua atitude é sua batuta. Seu tom de voz é sua flauta mágica. E a partitura não pode ser somente seu coração cheio de culpa. É necessário o equilíbrio de notas de responsabilidade, limite e amor que educa para a vida. Mesmo que o tom vindo dos filhos seja de lamentação, não se deixe tomar pela culpa. Se ao invés de mostrar pena do filho os pais conseguem colocar a escola como uma honra, um privilégio único, tudo muda para melhor. Fale sobre a escola como você falou antes das férias sobre a viagem para o Beto Carreiro ou passeio na casa da Vó. Foque seu pensamento no quanto a escola ajuda na educação do seu filho para que se torne um cidadão do bem, com habilidades necessárias para enfrentar o futuro que o aguarda. Seu tom de voz e postura fazem toda a diferença. E dê às reclamações o status que merecem. Não é preciso contestar. Basta reconhecer: “ah, dá preguiça mesmo né?” e mudar de assunto imediatamente. Pense em como você comentava sobre a programação das férias, ainda que tenha sido muito parecida com a rotina normal da família. Sua postura de animação e predisposição para gerar uma expectativa positiva faz toda diferença para a forma como eles vão encarar o que está por vir. Pronta/o para vencer o desafio de “quem contagia quem” e tornar o retorno às aulas mais leve?

2. Não trate o retorno para a escola com se fosse uma negociação. É só uma responsabilidade que precisa ser cumprida, para o bem de todos!

Os pais começam a tentar convencer os filhos mesmo antes de que as crianças se deem conta de que está chegando a hora de voltar. O discurso dos pais será sempre tentativa mal sucedida de vencer pela lógica aqueles que facinho, facinho nos vencem pela emoção e pelo cansaço. Há uma forma de tornar menos sofrida essa fase: parar de tentar negociar o que é inegociável. Discutir por longos períodos com os filhos e tentar contestar os argumentos que eles trazem passa a mensagem de que há alguma possibilidade de negociação para a situação. E quanto mais os pais entram nesse jogo, mais soa como se fosse uma disputa em que um dos lados sairá vencedor. O melhor caminho é não discutir. Ouvir sim. Demonstrar que entendeu o que o filho está colocando, sim. Retrucar, ficar bravo ou triste e achar que tem que convencer seu filho é só gasto inútil de energia boa. Use sua carga de bateria para brincar, correr, jogar, conversar com seu filhos sobre outros assuntos. O retorno às aulas já está resolvido, não há o que negociar!

3. Uma frase para deletar nessa época de volta às aulas: “Acabou a moleza. Hora de voltar para a escola.”

Voltar para a escola não deveria ser algo que soa como castigo. Para nossos filhos pode e será sempre motivo de lamentos, reclamações e um pouco de manha. O que também é normal. Não tem nada de errado em querer ficar mais em casa, acordar sem compromisso de horário, ir dormir na hora que dá vontade. Só temos que lembrar – nós, os adultos – de que isso tudo só é gostoso e divertido porque não dura para sempre. E só conseguimos que nossos filhos descubram o prazer em aprender e conseguir se desenvolver no aspecto cognitivo, emocional, social quando estimulamos para essa descoberta. É dos pais o desafio de educar para a vida. Isso significa estabelecer uma rotina, sem a preocupação em tornar o dia divertido o tempo todo. Escola é um aspecto fundamental nesse processo. Tudo isso para dizer que não devemos colocar na escola um peso que não é dela. Se ir para a escola é a única responsabilidade que seu filho tem, ela vai mesmo parecer como o vilão que tira a ilusão de não ter que se esforçar para nada. Para equilibrar essa situação e dar ao estudo e à e escola a importância que de fato têm é preciso ajustar nossa fala e postura. As aulas não estão recomeçando porque alguém definiu que “chega de vida boa” para os alunos. E ir para a escola é parte da vida boa que podemos dar a nossas crianças e adolescentes! Não tire o valor enorme que existe em poder ter a escola para onde voltar, os amigos para encontrar e a professora que coloca tanta energia para conseguir fazer a aula fluir, apesar de todos os desafios! Voltar para a escola não é um castigo para responsabilidades que ele não está cumprindo em casa. É mais uma responsabilidade que não é negociada jamais.

4. No final da semana, é dia de comemorar junto com os filhos o início de uma nova etapa. E adivinha quem é o homenageado da noite?

Não é pouco o desafio de acomodar férias dos filhos com o gigantesco arsenal de atividades que temos hoje em dia. E também não é pouca energia necessária para reorganizar toda a rotina para começar o ano escolar. Se tivéssemos só isso para cuidar, já seria estressante o suficiente. Mas o restante da vida não para. Nossos pais continuam a precisar de atenção, o trabalho que já virou parte da vida pessoal, sem horário para terminar e segue a luta para conseguir aquela sonhada qualidade de vida. Tudo isso e muito mais acaba tendo um peso maior nas férias, porque perdemos temporariamente a rede de apoio na qual confiamos plenamente: a escola. E como pais perfeccionistas que somos, resolvemos questionar nossa postura ao longo do mês todo. Montamos na cabeça o tribunal, trazemos somente o promotor de justiça e esquecemos de contratar um advogado de defesa para nós mesmos. E lá vem nossa culpa tentando nos condenar por não termos conseguido mais tempo, pelos dias que não foi possível fazer passeio algum, pelos passeios que cansaram demais e por tudo que conseguirmos lembrar contra o “réu”.

Vamos combinar que somos sobreviventes em meio a um caos formado pela correria, cobrança, comparações com postagens que em nada refletem a realidade da vida. Vamos acordar que está na hora de celebrar o privilégio de ter filhos que podem ir para a escola, têm pais conscientes, preocupados em dar o melhor de si. E para nossos filhos também é muito bom encerrar a semana com uma noite leve, comemorando juntos o simples fato de ter uma escola para onde ir, uma família com quem celebrar pequenas vitórias! Que venha um ótimo semestre para todos nós!

Baixe aqui nosso CRONOGRAMA GRATUITO para ajuste da rotina escolar dos filhos.

Desconto especial no Curso para Alunos de 8 a 17 anos para aprender a se organizar nos estudos e a estudar de uma forma que o cérebro aprende melhor! CLIQUE AQUI Código especial de desconto: SOSVIP

Agende um atendimento individual conosco Online AQUI.

0 comentário

© 2014 SOSEducação. Todos os direitos reservados.