Buscar

Toda mudança repentina gera resistência, medo, insegurança.


Vencer esses sentimentos que paralisam traz benefícios que impactam de forma positiva a

autoestima e a crença sobre nossas próprias capacidades de reagir em situações desafiadoras.


É verdade que seu filho não nasceu para “esse negócio de fazer aula a distância.”.

Nem ele e nem as outras crianças ou adolescentes.

E também não é isso que a escola e os professores gostariam de oferecer a ele.

É verdade que estar presente com os colegas da sala e a professora é muito melhor, mas não é uma realidade possível agora e nos próximos meses. A fase do susto, do novo e inesperado passou. É hora de assumir que será assim por mais um bom tempo e fazer os ajustes necessários para que seu filho descubra que consegue sim.


Reconhecer o desafio que seu filho vem enfrentando é ótimo. Achar que seu filho não consegue vencer esse desafio já é outra coisa, totalmente diferente.


Logo tudo isso vai passar. E as telas vão ficar como uma excelente opção de apoio para o aprendizado. As aulas presenciais vão voltar, mas a tecnologia como parte do ensino vai ficar. Seu filho consegue sim aprender online. Ele precisa aprender a se orgulhar das pequenas conquistas diárias!


No vídeo abaixo, falamos sobre uma das das angústias dos pais em relação a hora das aulas remotas dos filhos: quando a professora não chama o aluno quando ele levanta a mão ou quando tem alguma dúvida? É só clicar no Play para assistir =)



A Educação está sofrendo a maior crise dos últimos tempos. Precisamos unir forças para soluções e iniciativas para os desafios enormes que estamos enfrentando. São muitas famílias desistindo da escola, alunos a mais de um ano sem aulas, escolas que estão falindo, professores exaustos.

Existem prós e contras dessa opção de cuidar da Educação Escolar dos filhos em casa? Existem! Ela é permitida legalmente em nosso país? Não. É um assunto para discutirmos nesse momento? Falamos sobre isso no vídeo que gravamos na última semana.

Clique Abaixo Para Assistir =)


É verdade que seu filho não nasceu para “esse negócio de fazer aula a distância.”.

Nem ele e nem as outras crianças ou adolescentes. E também não é isso que a escola e os professores gostariam de oferecer a ele. É verdade que estar presente com os colegas da sala e a professora é muito melhor, mas não é uma realidade possível agora e nos próximos meses.

A fase do susto, do novo e inesperado passou. É hora de assumir que será assim por mais um bom tempo e fazer os ajustes necessários para que seu filho descubra que consegue sim.

A partir do Ensino Fundamental, interagir com os colegas, tirar dúvidas com a professora, assistir à explicação do conteúdo, falar sobre o que está conseguindo fazer, tudo isso pode ser feito online com um pouco de esforço. Continua a valer o pressuposto em relação ao equilíbrio no tempo. Ficar horas na tela é cansativo e prejudicial a todos: alunos e professores. Mas fazer uso do privilégio de ter um equipamento, acesso à Internet, professor fazendo seu melhor é um hábito que seu filho consegue sim desenvolver. Logo tudo isso vai passar. E as telas vão ficar como uma excelente opção de apoio para o aprendizado. As aulas presenciais vão voltar, mas a tecnologia como parte do ensino vai ficar. Seu filho consegue sim aprender online. Ele precisa aprender a se orgulhar das pequenas conquistas diárias!

Afinal, as aulas remotas funcionam? Nos primeiros meses de isolamento social, as aulas remotas foram tidas como vilãs. Famílias, alunos e professores consideravam o formato ineficiente.

Entretanto, à medida que as escolas passaram a aperfeiçoar os métodos de ensino-aprendizagem, a visão com relação ao uso da tecnologia, também mudou. Uma pesquisa realizada pelo Instituto Península, em novembro de 2020, com aproximadamente 3 mil educadores das redes pública e privada, revelou que 40% dos professores concordam que os alunos estão evoluindo com o aprendizado em casa Este percentual é maior quando comparado à terceira fase do estudo, feita em agosto. Vale lembrar, porém, que a percepção dos profissionais com relação à evolução dos estudantes muda de acordo com a rede de ensino, conforme mostra o gráfico abaixo.

  1. Uso da tecnologia para estudar e aprender;

  2. Capacidade de adaptação e flexibilidade;

  3. Resiliência;

  4. Habilidade de pesquisar e ampliar o conhecimento de forma autônoma;

  5. Capacidade de organizar a rotina de estudo com autonomia e responsabilidade.

Tais competências são essenciais para o desenvolvimento das crianças e dos adolescentes e os preparam para os diversos desafios que encontrarão ao longo de suas vidas. 

A importância da parceria entre escola e família na pandemia

Nesta pandemia, a relação entre escola e família – que andava um tanto distante – se estreitou. Isso porque os pais tiveram que adotar um papel mais ativo na educação dos seus filhos, participando e se envolvendo nas atividades escolares.

Tal cenário mostrou a importância da escolha da escola para o sucesso escolar e o desenvolvimento das crianças. Ao contrário do que muitos pais pensam, manter um vínculo com a escola, é fundamental para que os pequenos possam dar continuidade ao processo de aprendizagem, mesmo que de maneira remota.

Portanto, se você ainda não matriculou seu filho ou está insatisfeito com a escola atual, o Melhor Escola pode ajudar você a mudar essa situação. O portal conta com mais de 8 mil escolas parceiras, desde o berçário até o ensino médio, que oferecem bolsas de estudo de até 80%.

No site você encontra quais escolas estão trabalhando com aulas online, além de verificar informações sobre infraestrutura e método de ensino. Os familiares conseguem ver também o que outros pais, alunos e ex-alunos têm a dizer sobre sua experiência na escola, dando mais segurança na hora de tomar uma decisão. 

Respira fundo que essa fase desafiadora vai passar! E vale sempre lembrar que ao longo dos últimos meses, você não trabalhou como teria trabalhado se não houvesse a quarentena. Você não dormiu como teria dormido. Não viveu nenhum aspecto da sua vida como teria vivido. E por que será que mantemos o parâmetro em relação ao aprendizado no mesmo patamar que estaria se o ano estivesse correndo normalmente?

Instagram

© 2014 SOSEducação. Todos os direitos reservados.