top of page
Buscar

Hábitos da infância dos pais podem salvar o ano letivo da geração Z

Temos hoje muitas comodidades que não existiam durante a nossa infância. Ganhamos acesso a informações que ajudaram a melhorar diversos aspectos da vida que levamos em família. Nossos filhos podem, desde pequenos, fazer escolhas que nem sequer passavam pela nossa cabeça. A tecnologia trouxe possibilidades que nossos pais nunca poderiam imaginar. E apesar de todos os benefícios que a tecnologia trouxe para a vida moderna, temos menos tempo, muito estresse e nossos filhos se relacionam com a escola e com os estudos de forma cada vez mais negativa. Estudar parece um peso. A lição de casa é um tormento na casa de tantas famílias. A chegada do boletim é motivo de estresse e até depressão entre os alunos e pais. O hábito da leitura é uma espécie ameaçada de extinção e missão quase impossível para pais e professores.


A pergunta que fica é: existe relação entre as mudanças na rotina das famílias e o distanciamento entre nossos filhos e o prazer de estudar?


Sim, mas a notícia é boa: podemos aproveitar o melhor dos dois mundos, incluindo em nosso dia a dia hábitos saudáveis que eram parte da nossa vida em família e se perderam. A mistura entre o passado e o presente pode gerar o tão sonhado equilíbrio na vida de nossos filhos, tanto na convivência social quanto na relação com a escola.

Você provavelmente viveu o tempo em que havia uma televisão na sala de casa. Ou ouvir alguém contar sobre isso. Ali todos se reuniam para assistir juntos um programa em algum momento ou dia. Não se iluda, não era o que vocês assistiam que fazia a diferença. E não é a falta de programação boa na TV que prejudica nossas crianças e adolescentes hoje. O que de fato gerou memórias positivas e ajudou você a enfrentar os desafios que a vida de estudante traz foi ter a família reunida, de corpo, mente e alma presente em um mesmo cômodo da casa. Todos olhando na mesma direção, focados em um só ponto, criando oportunidade para conversar sobre um assunto que incluia cada membro da casa. Um mesmo programa não era o favorito de todas as pessoas da família. Ainda assim, estavam ali, todos juntos. Muitas das habilidades que você pai/mãe desenvolveu vieram de momentos como esse.


Estudos recentes da neurociência mostram como as memórias desenvolvidas em família afetam de forma positiva o processo de aprendizagem. E muito do sufoco que você passa com seu filho hoje na relação com os estudos vem da falta de oportunidades como as que você teve: de aguentar firme ali, mais pela companhia do que pelo programa, de aprender a ouvir, de sentar perto de seus pais e só viver plenamente aquele momento. Não precisa replicar a cena tendo a Tv como centro das atenções. Mas precisa replicar a cena sim, intercalando o foco de todos que antes ficava na tv pelas opções disponíveis atualmente. Um dia é o vídeo game, no outro, uma plataforma de streaming, com uma série ou filme. No outro é um livro, um jogo de tabuleiro, uma conversa em família, com cada membro contando seu maior desafio e a melhor parte do seu dia.


Pode ser qualquer coisa, desde que no lado de cá estejam presentes: os pais, os filhos, os ouvidos, o respeito, a vontade de dividir com a família algum momento depois de um dia corrido.


Sem esse ajuste, a foto que você fizer da sua sala hoje vai explicar parte da falta de paciência que seu filho tem com os colegas de escola, a baixa capacidade de se concentrar na hora da tarefa, a falta de assunto com vocês na mesa das refeições.

Que tal voltar a reunir a família na sala de casa e passar deliciosos momentos de tédio junto com seus filhos? Conviver com os colegas da escola e com os professores será bem mais legal quando nossos filhos souberem que o mundo real é este e não aquele ali dos cliques, pausas e fones de ouvido!

0 comentário

Comentários


bottom of page