Buscar

Que atitude dos pais incomoda filhos adolescentes?

Você tem filho adolescente em casa e vive em clima de estresse constante, desejando que essa fase de tormenta termine logo?

Quando encontra outros pais de adolescentes comenta que sabe o que eles estão passando e quando encontra uma família feliz com seus filhos pequenos, aconselha que aproveitem bem, porque daqui a pouco essas crianças serão adolescentes e adeus paz na casa?

Embora essa seja uma fase realmente complicada, estudos comprovam que está nas mãos dos pais o poder de se aproximar e transformar a adolescência dos filhos em um período que deixará tanta saudade quanto a infância deixou.

A predisposição dos pais em enfrentar as batalhas sobre as quais ouviram seus amigos e familiares contar e a tentativa de estarem preparados, não baixando a guarda, são de fato os maiores causadores de todo stress que tanto se quer evitar.

Se nesse exato momento você está pensando que só digo isso porque não sou eu quem tem que conviver com a postura de enfrentamento de seu filho adolescente no dia a dia, tenho uma pergunta: se a postura de seu filho é de constante enfrentamento, será que você não estaria assumindo a postura do inimigo a ser enfrentado?

Um trabalho desenvolvido com adolescentes de diferentes classes sociais e culturas comprovaram que esses jovens gostariam muito mais de poder contar com seus pais e percebem a realidade de forma bem mais madura do que imaginamos.

Veja a resposta deles a duas questões colocadas em um ambiente em que eles sentiam-se seguros de que não estavam sendo monitorados ou avaliados por seus pais.

Pronto para se surpreender?

1 – O que seus pais fazem que desperta em vocês a necessidade de enfrentá-los ou irritá-los?

. Culpar por coisas que nem entendi o que tem de errado;

. Desconsiderar, ignorar ou desprezar coisas que me deixam irritado ou preocupado, respondendo coisas do tipo: “vai descansar um pouco que melhora”; “dorme que você se acalma”; “ah, no meu tempo é que era difícil. Queria só ver se você tivesse que fazer o que eu fazia na sua idade!”.

. Fazer críticas sobre o tempo que passo estudando, dizendo que é pouco, mesmo que eu esteja trazendo notas boas da escola.

. Gritar comigo, principalmente na frente de parentes e amigos.

. Não ter tempo para conversar comigo sobre coisas bobas do dia a dia e querer ter conversas longas sobre coisas que eles acham importantes.

. Criticar meu jeito de sentar, vestir, comer ou me expressar – fazendo com que eu me sinta muito mal sobre a pessoa que sou.

2 – Que conselhos daria a seus pais se achasse que eles prestariam atenção ou ouviriam?

. Não adianta me dizer que posso contar com você para qualquer coisa se você fica louco da vida e faz sermão quando sabe de alguma aventura que tive com meus amigos.

. Não faça pergunta boba quando na verdade gostaria de fazer uma crítica. Por exemplo: “você ainda está nesse vídeo game?” Ou “já está comendo de novo?”

. Não me diga para não fazer coisas que são prejudiciais à saúde quando você pratica esse hábitos na minha frente – por exemplo, beber ou fumar. Isso me faz pensar que você acha que sou um idiota.

. Quando você tiver um dia difícil, não desconte em mim. Eu posso estar tentando demonstrar que tive um ótimo dia, mas é muito frustrante quando você já chega gritando por qualquer coisa.

. Não aja de um jeito comigo em frente de visitas ou na casa de parentes e depois me trate como um inútil quando estamos sozinhos em casa.

. Não critique meus amigos, quando só os tiver visto poucas vezes e ainda não os conhecer como pessoas.

. Se quiser mesmo saber a verdade, não me coloque de castigo cada vez que sou sincero!

. Mesmo que pareça já estar grande demais, não deixe de dizer que me ama.

Que tal olhar para seu filho de uma maneira diferente, acreditando que ele quer muito acertar e que provocar  você não é seu principal objetivo de vida?

Surpreenda-o com sua mudança de postura e observe como ele se tornará uma pessoa mais dócil. Os resultados nos estudos serão um reflexo da relação na família.

0 comentário

© 2014 SOSEducação. Todos os direitos reservados.