Buscar

Mudança de escola: metodologias e os relacionamentos sociais dos alunos




1. “Estou pensando em mudar meu filho de escola, mas não sei que escola oferece a melhor metodologia de ensino para ele”

Uma das dúvidas mais comuns que recebemos dos pais no momento em que estão pensando em mudar o filho de escola está relacionada à dúvida sobre a melhor metodologia para a criança ou adolescente. Ao lerem sobre a proposta de diferentes metodologias de ensino, acabam ficando ainda mais divididos. Nossa sugestão é que os pais visitem as escolas que estão em uma distância viável de sua casa e conheça a proposta de ensino. Depois de ouvir sobre a metodologia, façam perguntas práticas.

Não se preocupem tanto com o aspecto que deverá ser cuidado pelos professores e equipe da escola. Tenha em mente que a pergunta chave para você poder decidir não é “que metodologia a escola usa?”, mas sim como a escola coloca em prática tudo o que é proposto pela linha que escolheu seguir. Se você conseguir entender a transferência que a escola faz da teoria para a prática, já terá uma fundamento a partir do qual poderá decidir. Muitos são capazes de fazer longos e belos discursos sobre esse ou aquele método, mas poucos sabem mostrar como aplicar na realidade o que é proposto. Mesmo que seu filho seja um aluno tranquilo e sem dificuldades, pergunte sobre como a escola aborda desafios, dificuldades de aprendizagem e problemas de relacionamento e comportamento por parte dos alunos. A escola que tem uma prática coerente com o discurso do que se propõe a fazer tem grandes chances de conseguir ajudar um aluno a se envolver e buscar seu potencial máximo. Uma escola próxima de sua casa traz enormes benefícios. Sim, a localização deve ser um item com pontuação alta entre seus critérios de escolha. Lembre-se de que o esforço por parte do aluno e o envolvimento da família serão sempre, nesta ou em outra escola, os diferenciais imbatíveis para que seu filho consiga aprender e desenvolver seu potencial máximo!

2. “Estou pensando em mudar meu filho para a escola em que foi o melhor amigo dele.”

Sentir-se querido, aceito e integrado faz toda a diferença para que uma criança ou adolescente consiga colocar toda a energia necessária para aprender e desenvolver suas habilidades. Olhando por esse aspecto, pode até parecer que faz sentido trocar o filho de escola porque um ou mais colegas mudaram. Isso não é verdade, porém. Conviver com a turma sem a presença daquele amigo é uma excelente oportunidade para o desenvolvimento de diversas habilidades. E elas serão a base enfrentar outros desafios, cada vez mais complexos, ao longo da vida. Lembre que seu filho e o colega podem continuar a se encontrar em outros momentos, fora da escola. Um não perde a amizade do outro por estar em ambiente diferente. Outro ponto é a riqueza de possibilidades que a situação traz para compreender e lidar com emoções que fazem parte de cada um de nós. Poder se conectar com outros colegas, descobrir afinidades que não tinham ainda percebido, enxergar a escola com outro olhar são algumas das vantagens que seu filho terá se ficar. Perdas irreversíveis virão em algum momento. Esse não é o caso. É só uma circunstância da vida que não deve ser tratada como uma tragédia. Mudar seu filho só porque o colega foi para outra escola significa sinalizar a falta de crença na capacidade que ele tem de se adaptar, de se tornar um aluno mais maduro e flexível. Caso os próprios pais precisem de um consolo, basta imaginar o que fariam se o colega tivesse mudado para um outro estado ou uma cidade distante. Vocês não se mudariam e ajudariam seu filho a seguir em frente. Se nós pais aceitamos uma situação com tranquilidade, demonstramos aos filhos que eles são capazes de superar também. Permaneçam porque foi a escola que vocês escolheram, porque cada família precisa ter sua própria identidade e segurança para enfrentar unida muitas mudanças que farão parte da vida!

Leia também:

O que considerar na decisão entre manter ou mudar o filho de escola






#mudançadeescola #relacionamentosocialemsaladeaula

0 comentário

© 2014 SOSEducação. Todos os direitos reservados.